(63) 98447-6190 tocantinsrural.brasil@gmail.com
22/09/2020

Brasil está entre os dez maiores produtores de caju do mundo

Por Eliza Maliszewski/ com edições do Tocantins Rural

Estudo no Ceará pode fortalecer a cajucultura na Região Nordeste

São poucos os países que produzem caju no mundo. A FAO lista apenas 28 como produtores de castanha de caju. Os dez maiores são Benin, Brasil, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Índia, Indonésia, Moçambique, Nigéria, Tanzânia e Vietnã. No Brasil, em 2019, foram produzidas 139.383 toneladas de caju.

De acordo com o IBGE, mais de 90% dessa produção está localizada em três estados: Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. A produtividade brasileira, considerando a área colhida em 2019, foi de 327 kg de castanha por hectare, o que é considerado muito baixo para o potencial da espécie.

Um estudo conduzido no Ceará pode mudar esses números. O experimento envolveu o cultivo superadensado de cajueiro-anão e chegou a obter, em dois anos de implantação, o triplo da produtividade média alcançada pela variedade. Esses resultados podem ajudar a expandir a cajucultura no Nordeste usando de tecnologias como fertiirrigação para produzir caju de mesa.

A expectativa dos pesquisadores é poder quintuplicar a produção em três anos e chegar a uma produtividade de pelo menos três toneladas de castanha e 27 toneladas de pedúnculo por hectare/ano.

A avaliação foi feita em uma parceria entre a  Embrapa Agroindústria Tropical (CE), Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado do Ceará (Sedet) e a Fazenda Frutacor, a 160 km de Fortaleza.

Foram usados seis clones em  maior adensamento. Foram plantados em 6x2 metros, o que comporta 833 plantas por hectare. No espaçamento tradicional adotado para a cultura, de 7x7 metros, são cultivadas 204 plantas por hectare.  A melhor combinação de clone com espaçamento resultou em uma produtividade de 1.606 kg de castanha por hectare/ano no segundo ano de implantação. Em espaçamento tradicional o cajueiro produz em média 528 kg de castanha por hectare.

Agora os pesquisadores querem observar a distribuição da produção ao longo do ano e fazer a análise econômica conforme as safras evoluem. O objetivo é incluir a cajucultura nos padrões da moderna fruticultura, com adensamento, irrigação, menor consumo de água e alta produtividade.

Fonte: Agrolink

Tempo

Eventos

NOSSOS PARCEIROS

Atendimento

Segunda a Sexta das 8h às 18h

(63) 8501-8498

Siga-nos

Entre em contato com a redação do Tocantins Rural. Email: tocantinsrural.brasil@gmial.com Telefone: (63) 98501- 8498 Whatsapp: (63) 98447-6190
Copyright © 2019 - Tocantins Rural - Todos os direitos reservados.