27/07/2021 - Atualizado em 27/07/2021

Novo zoneamento agrícola do trigo será apresentado nesta terça-feira, 27 de julho

Por Joseani Antunes/ com edição do Tocantins Rural
Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Excesso de chuva no final do ciclo do trigo é causa frequente nos pedidos de cobertura do seguro rural

Na abertura da 14ª Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale, nesta terça-feira, dia 27/07, será apresentada a proposta para a atualização do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC). Entre as mudanças, estão o maior detalhamento no cultivo de trigo tropical, avaliação de risco de frustrações pelo excesso de chuva no final de ciclo, além da inserção de diferentes tipos de solo e ciclo de cultivares na base de dados.

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) é um instrumento de política agrícola do Governo Federal que garante suporte às políticas de crédito e seguro rural no Brasil. O estudo, coordenado pela Embrapa com apoio de diversas instituições públicas e privadas, é baseado em séries históricas de clima, modelagem de cultivos e simulação de riscos.

O ZARC conta com dados coletados em cerca de quatro mil estações meteorológicas espalhadas pelo País. Por meio de quatro variáveis - município, tipo de solo, cultura e ciclo da planta - o sistema apresenta a época do ano mais indicada para a semeadura e as taxas associadas de risco de perdas – até 20%, 30% e 40%.

O ZARC é atualizado todos os anos para acompanhar as melhorias do sistema de simulação de riscos, a ampliação da base de dados, o surgimento de novas áreas e tecnologias de produção, além da necessidade de adesão com as políticas públicas para o setor que são anuais.

Neste momento, está sendo realizada a atualização para a safra de trigo 2021/2022, com o refinamento da parametrização do ciclo das cultivares e da inclusão de diferentes tipos de solos.Também deverão serão avaliados no ZARC as possibilidades da extensão de cultivo do trigo em áreas tropicais e o uso de novos indicadores para excesso de umidade no final do ciclo da cultura.

Para o cultivo tropical estão sendo atualizadas informações no ZARC para minimizar problemas com deficiência hídrica e temperaturas elevadas. Doenças de difícil controle, como giberela e brusone, também estão sendo consideradas pelos pesquisadores para indicar uma semeadura de menor risco.

“Precisamos reforçar a importância do ZARC como uma ferramenta de gestão de riscos na agricultura. Um trabalho robusto com base num complexo processo de modelagem e simulação que atende todos os municípios com indicação de cultivo de trigo. Estamos sempre em busca de melhorias, mas o ZARC é indispensável em qualquer sistema de cultivo, O seguro rural, seja público ou privado, não pode mais ser ignorado como um insumo na produção agrícola”, conclui o agrometeorologista da Embrapa Trigo, Gilberto Cunha.

Fonte: Embrapa

Tempo

Eventos

NOSSOS PARCEIROS

Atendimento

Segunda a Sexta das 8h às 18h

(63) 8501-8498

Siga-nos

Entre em contato com a redação do Tocantins Rural. Email: [email protected] Telefone: (63) 98501- 8498 Whatsapp: (63) 98447-6190
Copyright © 2019 - Tocantins Rural - Todos os direitos reservados.