Vacinação contra Influenza Aviária não é viável

Uma vez que o vírus sofre mutações contínuas, a vacina não conseguiria a imunidade animal

Na tentativa não só de debelar a doença, mas também de eliminar os problemas (sobretudo econômicos e de bem-estar animal) que ela ocasiona, inúmeros países optaram pela vacinação contra a Influenza Aviária. Sem sucesso, claro, pois o vírus causador da Influenza sofre mutações contínuas, driblando ou neutralizando a imunidade que as vacinas deveriam proporcionar.

A forma como essas mutações acontecem tem sido motivo de constantes pesquisas, tanto na área humana como na animal. E, neste último caso, pesquisadores do Instituto Pirbright (instituição do governo do Reino Unido localizada em Surrey, Inglaterra, e dedicada ao estudo das doenças infecciosas de animais) dedicaram-se a duas das “técnicas” adotadas pelo vírus para “fugir à imunidade vacinal e continuar se disseminando pelo campo”.

Os vírus da Influenza são capazes de sofrer mutação, o que pode permitir que eles evitem a imunidade gerada por infecção natural ou vacinação. Os vírus da gripe têm quatro maneiras principais de enganar o sistema imunológico para que possam continuar a infectar e se espalhar entre as aves.

Um dos métodos que o vírus pode usar é alterar uma de suas proteínas de superfície chamada hemaglutinina (HA), que permite que ele entre na célula e se replique. HA também é um alvo comum para os anticorpos do sistema imunológico que bloqueiam a ligação do vírus aos receptores celulares. Ao alterar apenas um ou dois componentes da proteína, o HA pode se prender muito mais firmemente à célula, evitando que os anticorpos detenham o vírus. No entanto, isso pode ter um custo, pois uma ligação particularmente forte pode impedir a replicação eficaz.

O outro método investigado é como os vírus H9N2 se disfarçam adicionando cadeias de açúcar à superfície de suas proteínas HA. Isso pode bloquear a ligação dos anticorpos, mas também tem resultados de aptidão variáveis para o vírus da gripe.

Em um estudo publicado na Emerging Microbes and Infections, os pesquisadores de Pirbright descobriram que a localização da cadeia de açúcar no HA poderia determinar a eficácia da replicação do vírus.
 

Eles também demonstraram que as duas técnicas evasivas podem se complementar ou agir uma contra a outra - se um vírus da gripe ganhou mutações que lhe permitem ligar-se mais fortemente às células, uma cadeia de açúcar na posição correta poderia restaurar sua capacidade de se replicar com eficácia.

Em contraste, os vírus da gripe fracamente ligantes não se beneficiam das adições de açúcar HA, que reduzem a capacidade do vírus de se replicar.

Explorar a dinâmica entre esses métodos de adaptação está ajudando os cientistas de Pirbright a entender como os vírus da gripe aviária escapam do sistema imunológico. Essas mudanças também podem tornar o vírus melhor adaptado para infectar células humanas, o que poderia resultar na passagem da barreira das espécies em condições adequadas. Entender como a gripe evolui é, portanto, crucial para a criação de vacinas personalizadas para prevenir esses tipos de mutações.

Fonte: Notícias Agrícolas