Tocantins aprova e participa do projeto da Janela B Regional

O projeto Janela B tem o propósito de atuar destravando e alavancando o desenvolvimento de baixas emissões, e ampliar o acesso a mercados de carbono

O projeto Janela B Regional visa o desenvolvimento dos nove estados que compõem a Amazônia Legal e foi aprovado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O projeto foi apresentado pela Força-Tarefa dos Governadores para Clima e Florestas (GCF), o qual o Tocantins integra.

O projeto Janela B tem, dentre seus objetivos, o propósito de atuar destravando e alavancando o desenvolvimento de baixas emissões; e ampliar o acesso a mercados de carbono, pagamento por resultados Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação florestal (REDD +) em um sistema integrado da região da Amazônia Legal.

Visa ainda atingir as metas da declaração de Rio Branco, além da construção e da implementação de pactos regionais integrados para o desenvolvimento de baixas emissões, criação, facilitação e gestão de redes de intercâmbio entre gestores e técnicos dos governos estaduais, organizações da sociedade civil e demais atores relevantes.

O projeto Janela B foi desenvolvido entre todos os estados da Amazônia Legal por meio de secretários e técnicos do meio ambiente. Ainda no primeiro semestre de 2020, o projeto teve o aval dos governadores que fazem parte do GCF, depois que foi apresentado no 20° Fórum de Governadores da Amazônia Legal, realizado em Belém (PA).

Os recursos para a execução do projeto Janela B são oriundos do Governo da Noruega, com a liberação via Pnud, no valor de R$ 10.088.655, que será utilizado por todos os estados que compõem a Amazônia Legal. A previsão para a execução do projeto é de 18 meses, contados a partir de fevereiro de 2021.

Janela A – Campo Sustentável

Essa é a segunda vez que o Tocantins é beneficiado com a aprovação de projetos pelo Pnud via GCF. Em 2018, o Estado foi contemplado com o projeto Campo Sustentável, desenvolvido até 2020, com o objetivo de demonstrar, aos produtores rurais, os resultados econômicos obtidos através da implantação de Sistemas de Integração Lavoura Pecuária e Floresta (ILPF).

No começo das atividades, o projeto tinha como meta a implantação em 50 hectares de terra. Com o desenvolvimento dos trabalhos, esse número aumentou e finalizou atendendo 74 hectares de propriedades das regiões norte, sul e central do Estado.

Fonte: Secom