(63) 98447-6190 tocantinsrural.brasil@gmail.com
16/03/2021

China deve reduzir importações de carne suína em 2021

da redação
Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Segundo o Rbobank, o rebanho de matrizes no país deve registrar crescimento que pode variar entre 10% a 15% neste ano

A crescente demanda de importação de carne suína e outras espécies da China foi um grande impulsionador da demanda nos mercados globais de proteína animal em 2020. O Rabobank, disse, porém, que haverá uma diminuição das compras de carne suína pela China em 2021.

O Rabobank destaca que a redução no rebanho de porcas no início de 2021 deve impactar o ritmo de repovoamento na China, muito embora ele deve continuar, ainda que em um ritmo mais lento do que o observado no ano passado. Vacinas ilegais, novas variantes de peste suína africana e a pressão por outras doenças, como a Síndrome Reprodutiva e Respiratória Suína (PRRS), resultaram em um aumento da taxa de mortalidade de leitões e abates do rebanho de porcas e suínos nos últimos meses.

Segundo o Rabobank, o rebanho de porcas apresentou uma queda mensal de 3% a 5% entre dezembro de 2020 e fevereiro de 2021, mas ainda há uma expectativa de que ele seja entre 10% a 15% maior do que há um ano. Além disso, o impacto da PSA na produção geral de carne suína chinesa é menor do que em 2019 e no início de 2020.

Entretanto, como a densidade populacional de suínos aumentou em 2020 devido ao reabastecimento bem-sucedido e que deve continuar a crescer nos próximos anos, os riscos de recorrências da PSA também aumentam. O reabastecimento vai encontrar eventos contrários de vez em quando nos próximos anos. Diante desse cenário, o Rabobank estima que a recuperação total será possível somente depois de 2023.

Após o Ano Novo Lunar, os preços do suíno começaram a cair cerca de 20% em apenas dois meses, principalmente devido à fraca demanda sazonal, mas também refletindo o pânico de vendas dos produtores pelas preocupações com as doenças.

No entanto, os preços dos leitões se recuperaram fortemente entre dezembro e fevereiro, indicando uma oferta restrita e também uma expectativa generalizada de preços de suínos mais fortes para o resto de 2021. Como o mercado antecipa preços de suínos mais elevados, o reabastecimento continuará rapidamente, apesar das ameaças de surtos de doenças.

Conforme o Rabobank, embora o rebanho geral de porcas tenha diminuído, as taxas de declínio variaram muito entre as regiões, indicando que os surtos da doença ainda estão limitados a regiões específicas. Como o vírus da PSA
sofre mutação, tornando mais difícil o controle, a biossegurança continuará sendo a maneira mais eficaz para defender o rebanho. A barreira para entrar na suinocultura agora é ainda maior, devido à tecnologia e capital envolvidos, levando a uma maior consolidação em um futuro próximo.

Produção de suínos deve crescer em 2021

O Rabobank espera que a produção de suínos na China cresça entre 8% a 10% no ano em 2021. Houve recentemente um ajuste para baixo devido aos ventos contrários criados pela nova onda de surtos de PSA. O banco acredita que a produção de suínos continuará crescendo, assim como o rebanho de porcas, apesar das perdas durante o inverno.

A produção de suínos poderá, entretanto, sofrer oscilações ao longo do ano. No primeiro trimestre, esperamos um rápido aumento devido à liquidação motivada por preocupações com doenças, com desaceleração no 2º trimestre. Os volumes de abate por matadouros em escala aumentaram 29% em janeiro de 2021 frente ao ano anterior, mostrando a melhoria na oferta de suínos, embora a liquidação também tenha desempenhado seu papel.

As empresas relataram quedas mensais nas vendas de suínos em janeiro, mas todas indicaram um crescimento anual significativo. Fortes vendas no inverno sugerem que o mercado pode repetir o que vimos em 2019, quando o rebanho de suínos diminuiu, mas a produção de suínos aumentou no primeiro semestre, antes da reversão da situação na segunda metade do ano.

Embora acredite que a oferta de suínos em geral aumentará em 2021, o Rabobank espera que os preços flutuem devido às incertezas do desenvolvimento de doenças, interesses de reabastecimento, custos de alimentação e políticas de importação. Nossa visão é que os preços médios do suíno em 2021 serão menores do que em 2020 e sujeito a fortes altos e baixos durante o ano.

No final da cadeia de varejo, a economia da China deve se recuperar ainda mais dos impactos da Covid-19 em 2021. Isso apoiará a demanda de serviços de alimentação e o consumo institucional, bem como o consumo das famílias. Como os preços da carne suína cairão com os altos níveis de 2020, eles obterão suporte de uma demanda aprimorada.

O governo da China reiterou sua política de apoio à produção local de suínos, enfatizando a importância da construção do sistema de melhoramento/genética. Como resultado, um número maior de empresas líderes com capacidade de criação provavelmente receberá políticas favoráveis de apoio e suporte.

Fonte: Canal Rural

Tempo

Eventos

NOSSOS PARCEIROS

Atendimento

Segunda a Sexta das 8h às 18h

(63) 8501-8498

Siga-nos

Entre em contato com a redação do Tocantins Rural. Email: tocantinsrural.brasil@gmial.com Telefone: (63) 98501- 8498 Whatsapp: (63) 98447-6190
Copyright © 2019 - Tocantins Rural - Todos os direitos reservados.